Segunda-feira, 10 de Dezembro de 2007

Balanço do Período

          Com este texto vamos fazer um breve balanço do trabalho desenvolvido no 1º Período, nomeadamente a fundamentação teórica e as entrevistas.

          Cumprimos todos os objectivos a que nos propusemos até agora, sendo eles:

  1. recolha de informação na internet;
  2. observação directa dos locais;
  3. análise de documentos (revistas);
  4. entrevistas a profissionais;
  5. análise da informação recolhida por todas estas vias.

         O ponto três foi o menos desenvolvido, pois apesar de a informação ter sido analisada, o seu conteúdo não foi "divulgado" no blog.

             As nossas expectativas foram superadas, na medida em que cumprimos todos os objectivos dentro do prazo estabelecido.

          Descobrimos diversos factos interessantes acerca destas práticas, tais como a origem das Tatuagens e a sua influência na Cultura Urbana.

           Aquilo que nos permitiu chegar a algumas conclusões importantes para o desenvolvimento futuro deste projecto foram, principalmente, as entrevistas, pois a interacção com os profissionais "abriu-nos" a mente para vermos a tattoo e o piercing de uma perspectiva diferente à que estávamos habituadas, isto é, de uma perspectiva mais artística e social, ao contrário da visão somente estética.

          Este trabalho deixou-nos bastantes satisfeitas, pois correu ainda melhor do que esperávamos, nomeadamente nas colaborações que conseguimos com estes brilhantes tatuadores/piercers, que aceitaram de bom agrado ajudar-nos em tudo o que pudessem. Aproveitamos para agradecer a sua simpatia.

          Valeu a pena, sem dúvida, escolher este tema.

          Agora, tendo em conta as conclusões a que este estudo nos levou e às sugestões que nos foram dadas, pretendemos planear a fase futura deste trabalho e iremos desenvolver os seguintes aspectos:

  1. entrevistar médicos e pessoas estratégicamente localizadas, com vista a observar a multiculturalidade urbana (o "senhor" do café, da mercearia, do quiosque, da padaria, por exemplo);
  2. elaborar inquéritos a adeptos e à população em geral;
  3. analisar a informação recolhida;
  4. reflectir sobre possíveis actividades futuras e potencialidades destas práticas, enquanto manifestação da cultura urbana.
sentimo-nos: aliviadas
by saloiadas às 14:05
link do post | comentar | favorito
Sábado, 8 de Dezembro de 2007

Take a look :)

 

Em cima: à esquerda, com Natacha Fontinha e à direita com Carlos Amorim. Em baixo: à esquerda com Samuel Ávila e à direita com Cristian Barros e David Marques.

by saloiadas às 02:09
link do post | comentar | favorito

Entrevistas

Aqui fica a análise das entrevistas realizadas a:

  • Natacha Fontinha, da Bad Bones (Bairro Alto, Lisboa);
  • Cristian Barcelos, tatuador da Lisboa Ink (Rua do Telhal, Lisboa);
  • David Marques, piercer, também da Lisboa Ink;
  • Carlos Amorim, tatuador da Triparte (Rua da Prata, Baixa de Lisboa);
  • Samuel Ávila, piercer, também da Triparte.

1

Estimativa do nº de lojas existentes em Lisboa:

Natacha Fontinha

Existe uma grande quantidade que não é sinónimo de qualidade.

Cristian Barcelos

David Marques

Carlos Amorim

Existem cerca de dez a doze lojas.

Samuel Ávila

Umas seis, com boas condições.

 

2

Há quanto tempo esta prática começou a ter visibilidade pública em Lisboa:

Natacha Fontinha

Já há muitos anos. Nós estamos aqui no Bairro Alto há 12 anos, mas já existimos há 17. Começámos em Campo de Ourique, depois fomos para a Rua dos Lusíadas e por fim viemos para aqui. Há 17 anos foi difícil, logicamente, mas há 12 ou 13 anos as pessoas começaram a viver com a tatuagem e cada vez mais.

Cristian Barcelos

David Marques

Houveram dois grandes booms: o primeiro em ’97 (durou sensivelmente dois anos) e o segundo em 2002. Isto tem muito a ver com as gerações: os pais que têm piercings têm filhos que não têm…

Carlos Amorim

Eu trabalho em Lisboa há três anos, e de há três anos para cá a mentalidade das pessoas mudou muito. Mas, no geral, penso que há uns oito anos.

Samuel Ávila

Por volta de 10 anos.

 

3

Existem ou não características ou traços comuns de quem adere a estas práticas:

Natacha Fontinha

Eu acho que não podemos generalizar, mas cada um tem um motivo muito pessoal para fazer. A tatuagem é arte. É uma coisa mágica que está para a vida inteira, ninguém nos pode roubar, vai connosco. Mesmo com um acidente pode ficar danificada, mas está lá. Não há características específicas, apenas a vontade da pessoa. Há pessoas que têm um visual perfeitamente “normal” (para mim é o que cada um gosta) para os padrões que a sociedade impõem, e estão completamente tatuados, só que não se vê. Lido diariamente com essas pessoas.

Cristian Barcelos

Há tanta evolução na tatuagem e nos meios de comunicação que a tatuagem já chegou às “pessoas comuns” (porém eu também o sou: não sou diferente de outro trabalhador de arte). Todas as pessoas estão habituadas a ver tatuagens e piercings, por isso não acho que haja uma certa elite ou sub-cultura para o fazer.

David Marques

Sim, pode-se dizer que sim: o gosto pela caracterização pessoal, pela modificação corporal, pela identificação própria, pela adaptação a um meio ou a identificação com modelos próprios ou pessoas com as quais nos queremos “envolver”.

Carlos Amorim

Em principio não.

Samuel Ávila

Antigamente era mais típico de um certo estilo, hoje em dia já não. Há uma grande variedade de pessoas que o fazem (mais novas, mais velhas…).

 

4

É ou não um indicador de um estilo de vida diferente:

Natacha Fontinha

Não, não é mesmo nada.

Cristian Barcelos

Não, é apenas embelezar o corpo, tal qual como quando as raparigas vão ao cabeleireiro. É claro que dentro das tatuagens tens aqueles que fazem tipo rocker, ou lembrança de familiares, mas sub-cultura de tatuagem? Em Portugal não há.

David Marques

Sim, sem dúvida.

Carlos Amorim

Sim.

Samuel Ávila

Não.

by saloiadas às 01:19
link do post | comentar | favorito

Continuação das Entrevistas

5

Sugestões de como enquadrar esta prática no âmbito da Cultura Urbana:

Natacha Fontinha

Quando vamos ver uma exposição de arte temos que estar fechados numa galeria (o que eu aprecio), mas muitas vezes estamos a lidar com pessoas que estão ali para ver e ser vistas; enquanto que um corpo tatuado que passeia na rua é uma tela viva e é perfeitamente agradável aos olhos das pessoas.

Cristian Barcelos

Acho que o que se trata aqui tem mais a ver com cultura individual do que cultura urbana.

David Marques

O piercing já está completamente enquadrado na cultura urbana. Tens desde pessoas do mais alto estatuto ao mais baixo estatuto. Em todos os estatutos existem pessoas com piercing, e o que difere é o tipo utilizado. Por exemplo, a uma executiva é-lhe permitido usar um muito pequeno no nariz ou no umbigo, mas talvez outros piercings não se enquadrem tão bem. É muito usual andarmos na rua e vermos bastantes pessoas com piercing, nem que seja um só, do mais normal ao mais invulgar.

Carlos Amorim

Antigamente a tatuagem fazia parte de uma cultura mais “ilegal”. Hoje em dia ela existe em todas as culturas.

Samuel Ávila

Eu acho que já não é uma moda. É algo que já está mesmo imposto na cultura. Antigamente pensava-se que era uma moda, mas já não.

 

6

Motivações que levam à adesão (através da experiência do entrevistado):

Natacha Fontinha

Eu acho que são motivos pessoais e é algo que não gostaria de falar, mas cada pessoa adere por diversos motivos, nem que seja o mais fútil, porque os há.

Cristian Barcelos

Acho que é para embelezar o corpo. Para mim uma tatuagem tem que ficar sensual, seja num homem ou numa mulher. O corpo é a coisa mais bonita que nós temos e o que eu faço é acrescentar ainda mais beleza ao corpo, com algo que nos represente.

David Marques

A maioria? A identificação com o meio, o enquadramento num certo grupo ou sub-grupo. Querem-se enquadrar, querem ser parecidas com algumas pessoas e fazem-no para que a sua estética se assemelhe. É mau, porque limitam-se a que a sua estética se enquadre com a das pessoas a quem se querem parecer ou a quem querer ser identificadas.

Carlos Amorim

Posso apenas dizer que eu sou procurado pelo tipo de trabalho que faço, tanto a qualidade como o estilo (oriental).

Samuel Ávila

Uns porque é moda, outros por prazer, o visual, a experiência. Há vários motivos para isso. Aqueles que o fazem por prazer fazem-no, tiram, voltam a fazer. Há todos os tipos de motivos.

 

7

Ponto de vista sobre a opinião da população, em termos gerais, sobre estas práticas:

Natacha Fontinha

Eu acho que é positiva. Nós somos um país do sul da Europa, de regime católico e isso tem um grande peso, porque faz os países de sul mais conservadores, mas dentro destes até somos um país que aderiu muito bem e que está a desmistificar essa ideia de que a tatuagem é coisa de presidiário.

Cristian Barcelos

Se fores a uma aldeia e tiveres 60% do corpo tatuado vão olhar-te de lado, mas em Lisboa, que tem uma grande população, uma pessoa com uma tatuagem é só mais uma pessoa tatuada. Agora se for eu, já podem olhar de forma um pouco diferente. O tabu que havia acerca de serem criminosos a fazer tatuagens já desapareceu um pouco, até porque o nível artístico aumentou.

David Marques

Temos piercings que são aceites e temos piercings que não são. Posso até dar um exemplo pessoal: já tive imensas discussões com pessoas no Metro ou na rua, porque, por exemplo, alguém com um piercing no sobrolho olha para o meu no septo e diz: “ai que nojo, que horror.”. Qual é a diferença? Não há. É um piercing. É uma perfuração do corpo; é a mesma coisa, só muda o local.

Carlos Amorim

Depende da faixa etária. Há idades que aceitam bem, outras não. Aqui em Lisboa a mentalidade está um pouco mais aberta porque há muitos jovens.

Samuel Ávila

Hoje em dia está um bocadinho melhor: já há lojas e imensas pessoas com piercings. As pessoas já se estão a mentalizar.

 

8

Existem ou não algo que vise modificar a opinião pública (caso esta seja negativa):

Natacha Fontinha

Há muita falta de informação e o negativismo e a critica má vão existir sempre, seja em que sociedade for; enquanto o Homem for Homem haverá sempre pessoas que vão criticar a tatuagem, ou porque não têm coragem para fazer ou porque a família não gosta. Viver em sociedade é sempre um acto difícil.

Cristian Barcelos

A pessoa negativa vai ser negativa sempre… ou porque não quer assumir um certo valor ou por outra razão qualquer… Há quem não goste, mas eu acho que só porque não se gosta não se deve falar mal. Pelo contrário, eu conheço pessoas que gostam de tatuagens, mas não as fariam porque não iam gostar de as “carregar” consigo para sempre, e gostam de as ver nos outros. Também há o tipo de pessoas que faz uma tatuagem, nem que seja muito pequena, só porque os outros têm. É algo que é nosso: é a nossa pele, a única que temos na vida. Devemos fazê-lo porque queremos, não porque outra pessoa tem. Nos somos conscientes do que fazemos com a nossa vida e por isso também não tatuo as mãos: nem todos podem trabalhar em qualquer parte do mundo tendo as mãos tatuadas; pode até ser um pai de família, mas a sociedade não está assim tão avançada. Eu prefiro fazer a tatuagem num sítio que não complique a vida da pessoa. Se alguém sob o efeito de drogas ou álcool vier ter comigo eu não o faço. E também depende da tatuagem que é: se faltar ao respeito a outra cultura ou outra nacionalidade não o faço. Só faço coisas de que me orgulho.

David Marques

O confronto. Karl Marx dizia no seu manifesto que sem confronto não há evolução. Há pessoas que têm que ser sacrificadas: eu não me importo de andar na rua e ser gozado para que no futuro um filho meu possa usar tantos piercings como eu e trabalhar num banco. Não me faz confusão, vivo perfeitamente bem com isso; não me importa. Eu vejo uma senhora na rua com um fato horrível e ela olha para mim e diz “ai que horror!”… eu podia dizer o mesmo da roupa dela. Trata-se de gostos.

Carlos Amorim

Acho que a opinião pública vai sempre evoluir de forma positiva, nunca negativa, mesmo para os media.

Samuel Ávila

Vai existir sempre o contra, devido à falta de informação. Acho que até hoje tudo o que disseram de negativo não foi bem fundamentado ou provado.

 

9

Influencia que poderá ter no futuro das cidades portuguesas:

Natacha Fontinha

Eu acho que já tem. Acho que faz parte. Tu vais à praia e raramente não vês um corpo tatuado.

Cristian Barcelos

Eu acho que agora o povo português, seja lisboeta, do porto ou do Algarve, está a ser influenciado por ver pessoas com tatuagens. Por isso perdem o medo, até porque antes as pessoas que faziam tatuagens eram criminosos ou pessoas más.

David Marques

Tendo em conta toda a historia, e sendo um fenómeno cíclico, vamos começar a ver menos pessoas extremamente furadas, para haver pessoas apenas com um. Imaginemos: em cem pessoas vamos começar a ver 20 pessoas extremamente furadas e 80 só com um piercing.

Carlos Amorim

Samuel Ávila

Acompanhando a moda dos outros países, a publicidade, que até já aparece muito relacionada com isso.

by saloiadas às 01:15
link do post | comentar | favorito

Fundamentação Teórica

Aqui fica alguma da fundamentação teórica em que nos baseamos para desenvolver o trabalho do 1º Período.

Com a análise de dados e ao longo do projecto em si, este trabalho dar-nos-á lucidez para compreender-mos o que motiva e leva a aderir a esta prática, ou seja, o que leva as pessoas a terem determinado comportamento e atitude perante o próprio corpo.

 

 

Tatuagens e Piercings – Um novo estilo de vida?

 

Estilos de vida são: "práticas quotidianas e formas de consumo que envolvem escolhas particulares (...)" (definição retirada do Dicionário de Sociologia, Porto Editora, 2002).


Muitas pessoas não se contentam em copiar estilos de vida de outros, preferindo, assim, construir o seu próprio, dando início a uma nova era de "novos estilos de vida".


Desde os mais remotos antepassados históricos que o homem "marca" em si símbolos da sua cultura na pele. Por exemplo, para os egípcios, tatuar o corpo era uma marca de religiosidade. O mesmo ocorria também nas comunidades primitivas do Pacífico, nas quais essa marca na pele funcionava como sinal de ascensão social, ou seja, quanto mais tatuados fossem, mais elevado era o seu estatuto na comunidade. Pelo contrário,  no caso do Japão, as tatuagens eram usadas como uma maneira de punir, daí resultar, provavelmente, a ideia que as pessoas de hoje em dia têm em relação a esta realidade social.


Apesar de tudo o que as pessoas possam pensar e dos riscos que isso possa causar, a verdade é que a tatuagem e os piercings passaram a fazer parte da cultura do nosso país.


A resposta mais dada à pergunta "o que te leva a aderir a estas práticas" poderá ser: "para ser diferente". Mas será que é mesmo assim? A realidade, apesar de todas as ideias que se possa ter e de todos os males que isso possa implicar é só uma: cada vez mais existem pessoas que gravam na pele certas imagens, que à partida as cativam e provavelmente lhes embelezam o corpo.

 

 

Tatuagens e Cultura Urbana

 

O que por vezes chamamos de radical, na cultura urbana juvenil implica sempre certos graus e tipos de riscos. Esse comportamento radical dos jovens tem passado, maioritariamente, pela modificação do corpo humano. Essa modificação remete para a alteração daquilo que nos é dado tão humanamente desde que nascemos, ou seja, o nosso corpo.

 

 

Tatuagem e Piercing

 

Em algumas culturas a vontade que a população tem de viver no limite integra-se, literalmente, através das tais modificações corporais que, por vezes, são bastante excessivas.
A tatuagem e o piercing, tal como muitas outras práticas, também têm regras básicas; por exemplo de higiene, na sua aplicação e uso.

 

by saloiadas às 00:37
link do post | comentar | favorito

.: posts recentes

.: Estratégia de Intervenção

.: Balanço do 2º Período

.: Relatório das Apresentaçõ...

.: Preparação do Inquérito

.: Análise das Entrevistas

.: Relatório da Visita de Es...

.: Balanço do Período

.: Take a look :)

.: Entrevistas

.: Continuação das Entrevist...

.: arquivos

.: Março 2008

.: Janeiro 2008

.: Dezembro 2007

.: Novembro 2007

.: Outubro 2007

.: pesquisar

 

.: Março 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.: links

.: mais sobre nós